FAZ PARTE DA HISTÓRIA
    Quando as investigações de corrupção no país, comandada pelo PT na atualidade, chegou ao período anterior dos governos tucanos em Minas e na União, com práticas iguais, de utilização do mesmo operador, prestador de serviços ao Poder Público, o presidente da república daquele recente período, imediatamente anterior ao atual, Sr. Fernando Henrique Cardoso, bem conhecido como FHC, declara à imprensa que “não se pode tirar o foco” das apurações, e que “seu governo faz parte da história”. Com isso, S.Exa. quis dizer óbvia e axiomaticamente que corrupção no seu tempo era apenas fato histórico. Desculpem-me, mas é ser muito petulante !...
    A arquitetura para a derrama de dinheiro soturno, sem qualquer prestação de contas, nas campanhas eleitorais, tudo leva a crer pelas apurações até agora procedidas, foi montada pelo mesmo “arquiteto” a partir da campanha ao governo de Minas em 1998. Já existem provas documentais muito fortes neste sentido. E FHC diz que isso faz parte da história. Não pode servir de pretexto para tirar o foco das apurações que agora se faz. É muita petulância, repito.
    Não permitiram apuração quando estavam no Poder. Jogaram tudo para “debaixo do tapete”. Agora que se escancaram as apurações – antes tarde do que nunca –, afirmam que toda a sua sujeira faz parte da história e não deve ser tocada.
    Pois eu acho o contrário, penso que tudo deve partir do começo, há que primeiro buscar as origens. Ver primeiro como tudo começou. Qual foi o laboratório de Marcos Valério? Onde ele encontrou facilidades para iniciar seu processo de “lavagem” de dinheiro? Antes da resposta a essas perguntas, não há como se avançar nas investigações.
Seguramente, não fica bem para um sociólogo ter este conceito de história.